sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Minha Mente Liberta

As palavras brotam em minha mente e me sufocam por não poder pronunciar tais palavras, que já escandalizarão o mundo, palavras que libertam mentes oprimidas pela escuridão das rotinas nebulosas. Gostaria que fossem realmente compreendidas com toda a sua complexidade e simplicidade, seu estilo real e utópico fixando dados autobiográficos de uma ciência artística contradizendo a razão muitas vezes incoerente, seguindo na contra mão, vivendo as mentiras impostas pela realidade do mundo insultando deuses e demônios, amando o divino e o profano sem poder de libertação.

Charlote Lottos

.Apenas o fim.



Nota:
Bom eu não sou um critico de cinema nem um especialista nisso, mas queria expor minhas opiniões e visões assim desenvolvendo minha consciência critica ou sei lá de ter sido só uma desculpa para poder escrever o que se passa na minha cabeça, mas não importando o porque vamos a discussão.

É uma produção muito interessante eu classificaria como um filme alternativo que vem com o intuito de mostra a realidade de um casal de universitários quem tem uma afinidade e suas esquisitices marcantes e distintas. Este filme me fez pensar que a gente tenta fugir de nosso mundo para nos proteger das pessoas podendo ser afetados ou atingidos pelo mundo que os rodeia, essa seria a caracterização dele, uma pessoa retraída. Ela seria uma pessoa que se diz senhora de seu caminho com suas certezas assim se mostrando uma pessoa meio que fria e cheia de maluquices e quando encontro alguém que fosse respectiva ao seu restilo de vida.
Não e uma super produção, mas conseguiu ma passar uma emoção e certa sensibilidade para entender os fatos, no meu caso, se posicionar no lugar do personagem não em suas ações, lógico, mas em como as coisas acontecem em um relacionamento, nada dura para sempre e sempre assim temos que aproveitar os bons momentos, pois no fim só eles ficam.
Isso é apenas o fim.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

A Clockwork Orange(Laranja Mecânica)


spoilers

Ambientado numa Inglaterra num futuro indeterminado, o filme mostra a vida de um jovem, chamado Alexander DeLarge, cujos gostos variam de música clássica (Beethoven), a estupro e ultraviolência. Ele é o líder de uma gang de arruaceiros, aos quais se refere como "druguis" (palavra originária do russo druk, amigo). Alex narra a maioria do film em "Nadsat", um idioma que mistura o russo, o inglês e o cockney (por exemplo, rozzer é polícia, drugo é amigo, chavalco é homem, moloko é leite). Alex é irreverente e abusa dos demais; mente para seus pais para faltar da escola.

Alex leva seus droogs a invadir uma casa, golpeiam um escritor que vive nela e estupram a sua esposa, enquanto Alex canta Singin' in the Rain. Depois, lida com uma tentativa de golpe de um seus droogs subordinados.

Depois de faltar às aulas, seduz a duas adolescentes em uma loja de discos; apesar de não reconhecer o nome de suas estrelas favoritas, este as leva para sua casa e tem relações sexuais com ambas.

Posteriormente, Alex é capturado durante um assalto, traído por seus droogs (um ao qual Alex tinha cortado a parte superior da mão direita por ter desrespeitado sua autoridade na gang). Alex é golpeado no rosto com uma garrafa de leite e fica cego, de forma temporária, na cena do crime. Essa cegueira permitirá sua captura. Depois de ser preso, descobre que a vítima do roubo morreu: Alex é um assassino. É sentenciado a 14 anos de prisão.

Depois de ter cumprido dois anos de prisão, ele é liberado na condição de se submeter ao tratamento Ludovico, uma terapia experimental de aversão, desenvolvida pelo governo como estratégia para deter o crime na sociedade. O tratamento consiste em ser exposto a formas extremas de violência sob a influência de um novo soro, como ver um filme muito violento. Alex é incapaz de parar de assistir, pois seus olhos estão presos por um par de ganchos. Também é drogado antes de ver os filmes, para que associe as ações violentas com a dor que estas lhe provocam.

O tratamento o torna incapaz de qualquer ato de violência (nem mesmo em defesa própria), bem como de tocar uma mulher nua. Como efeito secundário, também não consegue ouvir a 9ª Sinfonia de Beethoven — que era sua peça favorita.

Sem a capacidade de se defender, e de ter sido desalojado por seus pais (estes alugaram sua casa a um hóspede, entregado seu som e tesouros, e aparentemente mataram Basil, sua cobra de estimação), Alex desanimadamente perambula por Londres. Ele encontra a velhas vítimas e dois de seus antigos droogs (agora policiais) que lhe golpeiam e quase afogam.

Alex vaga pelos bosques até chegar à casa do escritor cuja esposa havia estuprado. O escritor o deixa entrar antes de descobrir sua identidade; logo, droga a Alex através de uma garrafa de vinho que ele o faz beber e tenta fazê-lo se suicidar tocando uma versão eletrônica da Nona Sinfonia de Beethoven. Alex se joga de uma janela, mas sobrevive.

Depois de uma grande recuperação no hospital, Alex parece ser o de antes. No hospital, o Ministro de Interior (que havia antes selecionado Alex pessoalmente para o tratamento Ludovico) visita Alex, desculpando-se pelos efeitos do tratamento, dizendo que só seguia as recomendações de sua equipe. O governo oferece a Alex um trabalho muito bem remunerado se ele aceitar apoiar a eleição do partido político conservador, cuja imagem pública se viu seriamente danificada pela tentativa de suicídio de Alex e o polêmico tratamento ao qual foi submetido. Antecipando seu regresso, Alex narra o final do filme: "Definitivamente, estava curado" enquanto se vê uma fantasia surreal dele mesmo transando com uma mulher na neve, rodeado por damas e cavaleiros vitorianos aplaudindo, e pode-se escutar o último movimento da Nona Sinfonia ao fundo.


FONTE:http://pt.wikipedia.org/wiki/Laranja_Mec%C3%A2nica_%28filme%29

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Dilema

Vivendo do Ócio
Composição: Jajá Cardoso / Luca Bori


Minha vida, minhas concepções
Sempre duvidei que você aceitaria
Sua intolerância me faz cada vez mais
Um refém de mim mesmo

Há uma semana atrás tentei te dizer
Você não quis me ouvir, falou pra esquecer
Disse que não dá mais e não iria adiantar eu falar
Agora sei que nunca vai entender
Todas as coisas que escrevi pra você
Eu vou apagar da minha memória junto com você

Sem mais, eu não pretendo mudar por você ou pra você
Não quero mais me enganar
Tudo que eu desejei foi estar ao seu lado,
Mas só querer não é o bastante mais

Há uma semana atrás tentei te dizer
Todas verdades que tentei esconder
Não suportava mais
E não ia adiantar eu falar

E a saída agora é me convencer
Que ao teu lado não iria mais ter
Motivos ou razões
Pra tentar continuar a viver

Aluga-se

Vivendo do Ócio
Composição: Raul Seixas/ Cláudio Roberto
A solução pro nosso povo eu vou dar
Negócio bom assim ninguém nunca viu
Tá tudo pronto aqui é só vim pegar
A solução é alugar o Brasil

Nóis não vamo paga nada, lá, lá, lá lá
Nóis não vamo paga nada
É tudo free, tá na hora
Agora é free, vamo embora
Dar lugar pros gringo entrar
Que esse imóvel tá pra alugar

Os estrangeiros sei que eles vão gostar
Tem o atlântico tem vista pro mar
A Amazônia é o jardim do quintal
E o dólar deles paga o nosso mingau

Nóis não vamo paga nada, lá, lá, lá lá
Nóis não vamo paga nada
É tudo free, tá na hora
Agora é free, vamo embora
Dar lugar pros gringo entrar
Que esse imóvel tá pra alugar
Se eu tivesse sido tudo que lamento não ter sido...
Se eu tivesse feito tudo que lámento não ter feito...
Se eu tivesse dito tudo tudo o que lamento não ter dito...
Será se eu não estaria a lamentar o fato consumado de ser o que sou, fazer o que faço e dizer o que digo...