quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Bresso



Meu último cigarro enche meu pulmão
Minha palavras estremecem diante de ti
Repletas de esperança e medo
Você me vê sentado aqui petrificado
Sem amor - vazio e enfermo
Sangrando - exausto

Mas seu amor corre em minhas veias
Não estou morto - não - não estou morto
Não estou morto - não - não estou morto

Ainda escuto sua voz a me falar
Ainda sinto seus lábios a me tocar
Ainda brilha a sua luz em mim
Eu ainda te amo
Ainda
Ainda
Ainda

Ainda quero te conhecer
Quero me alimentar de seu espírito
Quero me perder completamente em tí
Me perder completamente em você

Toda sua beleza - todo seu brilho
O castigo por te amar -
O castigo do meu amor

Agora eu te pergunto - Aonde você está?
Aonde você está agora?
A esperança se esvai pela minha mão
A desesperança se tranca em meu coração
Sinto amor dentro de mim
Mentiras e palavras carinhosas escuto de ti
Meu relógio biológico - destruido
As lembraças condenam
E sempre te amei

Ainda escuto sua voz a me chamar
Ainda sinto seus lábios a me tocar
Ainda brilha a sua luz em mim
Ainda te amo
Por favor volte
Por favor

Nenhum comentário:

Postar um comentário