quinta-feira, 15 de setembro de 2011

O ateu e o leão

Um ateu passeia por uma floresta na África, admirando tudo o que aquele “acidente da evolução” havia criado.
“Mas que árvores majestosas! Que poderosos rios! Que belos animais! E tudo isso aconteceu por acaso, sem nenhuma interferência de ninguém! Só mesmo as pessoas fracas e ignorantes, por medo de não conseguirem explicar suas próprias vidas e o universo, têm necessidade de atribuir a uma entidade superior toda esta maravilha!”
Houve um ruído nos arbustos atrás de si; um leão prepara-se para atacá-lo. Tenta fugir, mas o animal o derruba. Sem mais nada a perder, ele grita:
“Meu Deus!”
E um milagre acontece: o tempo pára, o ambiente é tomado por uma luz estranha, e escuta-se uma voz:
“O que desejas? Negaste a minha existência durante todos estes anos, ensinaste a outros que Eu não existia, e reduziste a Criação a um ‘acidente cósmico’”
Confuso, o homem exclama:
“Seria hipócrita de minha parte mudar de ideia só porque estou preste a morrer. Durante toda a minha vida, ensinei que Tu não existias”.
“Então, que esperas que eu faça?”
O ateu refletiu um pouco, sabendo que aquela discussão não poderia durar para sempre. Finalmente diz:
“Eu não posso mudar, mas o leão pode. Portanto, peço ao Senhor que transforme este animal selvagem, assassino, em um animal cristão!”
Na mesma hora, a luz desapareceu, os pássaros na floresta voltaram a cantar, o rio tornou a correr.
O leão sai de cima do homem, faz uma pausa, abaixa a cabeça, e diz compenetrado:
“Senhor, quero agradecer Sua generosidade, por este alimento que agora vou comer…”

qui, 15/09/11
por Paulo Coelho

Nenhum comentário:

Postar um comentário