segunda-feira, 22 de abril de 2013

Sentimentos sufocados.


Como e clara a manhã e como as noites são tranquilas, guardo em ti meu coração e meus pensamentos. Aflita é sua voz e sombria é a nascente do horror dos sonhos, mas não se contra põem a sua virtude e valentia.

Vozes exaltadas me fazem desacreditar a razão das palavras é lançado ao mar no mesmo momento meu rosto antes bronze polido hoje latão desvalido, que revala o quão mal o tempo foi comigo. Sustento a palavra encantada que és teu nome do amor desvalorizado, dos cantos sofridos e das lagrimas claras.

Teu sorriso me revela o sol que brota no limpo horizonte lavando meus olhos com lagrimas que broto do prelúdio desta sinfonia rasgando meu ser em oito partes e lançado ao vento como folhas secas de uma árvore centenária. A história está sendo contada e o que eu fiz para merecer tal citação?

Há desvalido ser, que encontra em teus lábios um motivo uma razão de ser. Sofro por ter estes pensamentos rudes e desmerecidos, pois quem sou para merecer vosso atenção tão clara e tão preciosa como se nada que eu tivesse feito fosse relevante. Um bom dia talvez fosse importante, mas isso lhe deu de bom grado não como uma obrigação, um dizimo ou uma punição, pois sou só um ser somente e tu? Tu és tudo, a minha vontade de esta ao seu lado me faz querer viver e sonha, já que a beleza perdida da vida se faz brotar novamente como uma linda inflorescência num campo liberando tão pura fragrância que encharca todo o ambiente em que está.

Nenhum comentário:

Postar um comentário